Páginas

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Contos - Tapa de amor não dói


Olá! Meu nome é Luciana, tenho 24 anos. Eu sempre gostei de inovar no sexo, buscar aprender alguma técnica nova, uma nova posição, abusar na sensualidade com lingeries e tal. Eu tenho um lance muito gostoso com um cara e toda vez que sei que vou vê-lo me produzo toda e busco uma forma de fazer algo diferente e me divertir intensamente com ele. 
Afinal é uma troca de prazer tão gostosa que sempre vale muito a pena qualquer esforço pra me diferenciar e agradar o gato. A gente sempre faz um sexo ardente, bem safado e sem nenhum pudor. A intimidade e a química que temos facilita muito, pois sempre estamos na mesma sintonia e tesão.
Vou contar uma novidade que entrou no nosso cardápio sexual recentemente... 
Um dia fui passar a tarde na casa dele, e como de costume damos aquela trepada boa pra caramba. E entre uma posição e outra sem pensar muito eu disse: “Me bate!”, ele me olhou e logo deu um tapa na minha bunda como de costume. Ai eu disse: “Não na bunda, bate na minha cara!”. 
Ele ficou surpreso e um pouco sem jeito deu um tapinha de leve no meu rosto, acho que estava com medo de me machucar... 
Beleza, passaram alguns minutos e quando a transa estava no ápice total, ele veio e me deu outro tapa só que esse um pouco mais forte, foi gostoso e deu pra sentir uma sensação bem legal. 
Ele me olhava com uma cara “doido de tesão” e dizia segurando no meu queixo e me comendo na posição de “frango assado”: “É assim que você gosta sua safada?” e plaft na minha cara de novo. Eu adorei, ele entrou no clima rapidinho, impressionante! Não demorou muito e ele me pediu pra cavalgar em cima do pau dele bem forte, e enquanto eu segurava nos seus ombros ele me disse: “Me enforca!”. Nossa! Que loucura, eu cavalgava e enforcava ele ao mesmo tempo, subindo e descendo naquela pica sem parar, fazendo ele se contorcer se tanto tesão. Parecíamos dois loucos, e ele dizia: “Vai gostosa, acaba comigo!” Fiquei com receio de machucar o gostoso, mas pela cara dele e a forma que ele gemia o negócio estava era bom mesmo. 
Não demorou muito e a sua respiração começou a ficar bem ofegante, suas mãos me apertavam toda e logo senti um jato quente dele gozando dentro de mim. Que delícia! Depois caímos na cama e começamos a rir do que tinha acontecido... 
Isso sim foi uma trepada violenta! Agora toda vez que transamos sempre rola uma parada assim... Selvagem. Hahaha


Um comentário:

  1. Esse lance de tomar tapa na cara não é comigo, agora bater... rsrsrs

    ResponderExcluir